Adoração que transforma

Vamos adorar a Deus

Ariovaldo Ramos

“E todos nós, com o rosto desvendado, contemplando, como por espelho, a glória do Senhor, somos transformados, de glória em glória, na sua própria imagem, como pelo Senhor, o Espírito.” (2Co cap três, verso dezoito)
Deus a gente adora, isso é certo, mas como é que se adora a Deus? Proponho que nesse texto, Paulo nos aponta um caminho. Ele diz que, diferente de Moisés, a gente não precisa usar o véu sobre o rosto (2Co 3.13), Moisés decidiu usá-lo porque o brilho da glória foi desaparecendo, e ele não queria que o povo o percebesse, isso porque o brilho dependia da exposição de Moisés à glória de Deus, o que aconteceu no Sinai, uma vez que ele não estava mais exposto, porque teve de descer do monte, teve de voltar para o meio do povo, o brilho foi, naturalmente, desaparecendo.

E, por que a gente não precisa usar esse véu? Não é porque nosso brilho é de melhor qualidade e dura mais tempo, mas, porque a gente está sempre diante da glória do Senhor, a gente não precisa ir a nenhum lugar especial para ficar exposto à glória do Senhor, a gente pode e deve estar o tempo todo diante da glória do Senhor, logo, depende só da gente, só não fica exposto à glória do Senhor quem não quiser.

E como a gente faz para expor-se e manter-se exposto? A gente já está exposto, portanto, a primeira coisa que devemos desenvolver é essa consciência, estamos sempre diante da glória do Senhor, tudo o que a gente pensa, fala e faz é diante dele. Em segundo lugar, temos de transformar tudo que pensamos ou fazemos num culto ao Senhor, conscientes de que pensando ou agindo estamos sempre diante dele, daí a gente tem de se portar de modo digno de quem está na presença do Senhor, logo, certos pensamentos e sentimentos têm de ser rechaçados de cara (Ef 4.31; Col 3.5-9), porque não são dignos de quem está na presença da glória do Senhor, e tudo que a gente fizer tem de ser do jeito que Deus gosta (Col 3.23).

O que é a glória do Senhor? É a forma como o Senhor se mostra a nós. A gente contempla a glória do Senhor e é transformado à imagem do Senhor. Porém, a gente está olhando a glória do Senhor como quem se olha no espelho e a gente se olha no espelho para se acertar, logo, contemplar a glória do Senhor é olhar para a imagem com a qual ele se nos apresenta de modo a nos acertarmos a partir dessa imagem, para ser cada vez mais parecido com a imagem que estamos vendo.

De que forma o Senhor se apresenta a nós? Segundo Ap 5.6, como cordeiro, uma vez que o ancião que se aproximou de João para dizer-lhe que não precisava mais chorar, disse-lhe que o Leão da tribo de Judá havia vencido e estava apto para tomar o livro e abrir-lhe os selos, porém, quando João se levantou para ver o Leão, viu o Cordeiro. Jesus, para o céu, é o Leão, mas, para nós é o Cordeiro, aliás, em apocalipse Jesus é citado como Leão uma vez e, como Cordeiro, 31 vezes. Jesus se apresenta a nós a partir de sua humilhação e apresenta a sua humilhação como modelo de vida para nós, como disse Paulo em Fp 2.5-8. Jesus sempre se apresenta a nós como cordeiro e demanda que a gente viva, também, como cordeiro. E viver assim é que é adorar ao Senhor, e quanto mais a gente vai nessa direção mais o Espírito Santo nos transforma em gente assim, de modo que vai ficando cada vez mais natural.

E quanto mais nós, porque isso é comunitário, vamos sendo transformados à imagem do Cordeiro mais vamos sendo edificados.

Fonte: lideranca.org